Alimentos que ajudam na digestão

5 minutos para ler

Saiba como prevenir / tratar a dispepsia (má digestão) e outros problemas digestivos com a alimentação.

A digestão começa pela boca. Ao mastigarmos iniciamos o processo mecânico e acionamos enzimas encontradas na saliva, como a amilase salivar que degrada as moléculas grandes de amido em moléculas menores (maltose).

Da nossa boca o alimento segue pelo esôfago e chega até o estômago – local onde a pepsina, outra enzima, “quebra” as proteínas. Na sequência o bolo alimentar vai para o intestino e sofre a ação de sucos digestivos produzidos ao longo do trato digestório. 

Este processo pode sofrer desequilíbrios. Azia, gastrite, úlceras gástricas e outros problemas digestivos são resultados de fatores agressivos e defensivos da mucosa. Os agressivos são aqueles que aumentam a secreção ácida do estômago (a mucosa integra a principal defesa da região). O controle do consumo de alguns alimentos pode, então, colaborar com a redução dos sintomas.

Má digestão (dispepsia)

É o nome técnico para um conjunto de sintomas, como desconforto na região da boca do estômago (epigástrio), sensação de empachamento, sensação de distensão, náuseas/vômitos e dispepsia. Na maioria dos casos tem relação com:

  • hábitos alimentares inadequados, como o consumo de grandes porções de comida, consumo de alimentos muito pesados e/ou gordurosos, refeições excessivamente tardias;
  • consumo de bebidas alcoólicas;
  • tabagismo;
  • estresse físico ou psíquico;
  • sono inadequado;
  • sedentarismo.

Os sintomas dispépticos, no entanto, podem ser a apresentação inicial de doenças mais sérias, como o refluxo gastroesofágico e as úlceras. Portanto, quando esses sintomas ocorrem com muita frequência é necessária uma investigação médica criteriosa.

Dieta regrada 

As dietas para problemas digestivos devem limitar ou excluir os alimentos irritativos da mucosa gástrica, como pimenta, alimentos ácidos, cafeína, refrigerantes e alimentos que retardam o esvaziamento gástrico, como frituras, carnes gordas, molhos gordurosos ou que contenham muita fibra solúvel. 

O fracionamento da alimentação também é recomendado. Comer em quantidades menores e mais vezes ao dia, fazer 5 ou 6 refeições diárias. Outra recomendação é comer devagar e mastigar bem os alimentos antes de engolir, facilitando o trabalho do estômago. Cada refeição deveria durar cerca de vinte minutos.

O cuidado com a alimentação noturna é fundamental e o intervalo entre comer e o momento de deitar-se deve ser suficiente para que a digestão aconteça.

A identificação dos alimentos que causam desconforto digestivo depende de uma observação atenta. É necessário fazer uma correlação entre a sua ingestão e os sintomas. Excluir temporariamente os alimentos com suspeita de má digestão é uma alternativa para observar se os sintomas desaparecem e, só assim, excluí-los definitivamente da dieta.

Evite

  • Alimentos e preparações muito gordurosas, como frituras, feijoada, churrasco etc.;
  • Pimenta do reino, pimenta vermelha, canela, cravo-da-índia, noz-moscada, páprica, mostarda, picles, pois são considerados irritantes à mucosa gástrica;
  • Café, chá mate, chá preto e chocolate, principalmente de “estômago vazio”, pois estimulam a secreção gástrica;
  • Refrigerantes e água com gás, pois estimulam a secreção ácida no estômago; bebidas alcoólicas.

Outras recomendações

  • Procure alimentar-se devagar, mastigando bem os alimentos;
  • Faça a refeição em ambiente tranquilo; 
  • Não tome leite em excesso, pois o leite contém cálcio que estimula a secreção gástrica; 
  • Faça pelo menos 5 refeições de pequeno volume com intervalos de aproximadamente 3 horas; 
  • Evite fumar, o fumo dificulta a cicatrização da úlcera;
  • Procure não deitar imediatamente após uma refeição de grande volume e evite ingerir alimentos durante a madrugada;
  • Não existe um único alimento que possa prevenir sintomas gástricos, mas sim um conjunto de ações preventivas. 

Uma alimentação equilibrada e saudável tem papel fundamental na manutenção e recuperação da saúde. Manter um cardápio balanceado é o primeiro passo para viver bem, contribuindo na prevenção de doenças, aumentando a vitalidade e disposição para as atividades diárias.

Veja alguns alimentos que ajudam na digestão

Alguns chás são digestivos, como hortelã, erva-cidreira, camomila, alecrim, sálvia, menta.

Abacaxi possui a bromelina, enzima que auxilia na digestão de proteínas, podendo aliviar a sensação de “estômago cheio”. 

Gengibre é um anti-inflamatório natural que pode auxiliar na digestão e melhorar a sensação de queimação, dor e náusea. 

Alimentos ricos em fibras colaboram para o melhor funcionamento do intestino, tais como: mamão, ameixa, laranja, mexerica, hortaliças preferencialmente cruas e leguminosas (feijões, lentilha, grão-de-bico).

Fibras

Fibras são consideradas “carboidratos não digeríveis” pelo organismo e uma de suas funções é a de auxiliar o funcionamento intestinal. Para que o papel das fibras possa ser desempenhado, enfatiza-se um maior consumo de líquidos (principalmente água) durante todo o dia. 

Conheça os tipos de fibra

Fibras Solúveis

A principal é a pectina, encontrada em frutas, vegetais, farelos de aveia e leguminosas. Atuam no retardo do esvaziamento gástrico.

Fibras insolúveis

Encontrada em todos os alimentos vegetais, sua maior fonte são os grãos (milho, soja, grão-de-bico) e frutas consumidas com casca (maçã, pera e ameixa). Ajudam na prevenção de algumas doenças intestinais e aumentam a saciedade. 

​Referências Bibliográficas:
Site da Sociedade de Gastroenterologia de São Paulo
Bernaud FSR; Rodrigues TC. Fibra alimentar – Ingestão adequada e efeitos sobre asaúde do metabolismo. Arq Bras Endocrinol Metab. 2013; 57/6. 

Leia mais