Pandemia de Covid-19 afeta o diagnóstico de casos de câncer no Brasil

2 minutos para ler

Estima-se que 50 mil casos de câncer deixariam de ser diagnosticados durante a pandemia. Além disso, 70% dos casos da doença não seriam detectados em tempo hábil no Sistema Único de Saúde (SUS).

Por dr. Gustavo Schvartsman, oncologista clínico do Hospital Israelita Albert Einstein / CRM SP 156.477

O distanciamento social imposto pela pandemia e o receio em relação ao novo coronavírus afastaram as pessoas de hospitais, clínicas e consultórios. No entanto, muitas condições de saúde estão sendo negligenciadas. O câncer, por exemplo, é uma doença que quanto mais cedo for diagnosticado, maior a chance de cura.

Segundo o especialista, o problema é que o “represamento” na detecção da doença tenha impacto no número de óbitos – uma vez que o câncer será detectado, mas provavelmente em um estágio avançado (limitando as possibilidades de tratamento), além da sobrecarga do sistema público (muitos casos ao mesmo tempo), que provavelmente não será capaz de atender a todos.

O rastreamento, com exames, é capaz de reduzir em até 70% a taxa de mortalidade– dependendo do tipo de câncer. “O rastreamento é um exame feito antes do paciente apresentar sintomas da doença, como a mamografia que pode detectar um nódulo antes da mulher ser capaz de senti-lo.”

Ouça mais sobre o tema no Papo Saudável, o podcast sobre saúde do Einstein.

Leia mais