Mitos e verdades sobre vacinação

2 minutos para ler

Por Dr. Alfredo Elias Gilio, Coordenador Médico da Clínica de Imunização do Hospital Israelita Albert Einstein / CRM SP 34 115 

A imunização por meio de vacinas ainda é cercada de boatos, lendas, mal-entendidos e dúvidas. Para ajudar a esclarecê-las, preparamos uma lista com alguns mitos e verdades sobre a vacinação. Confira:

  • Vacinas podem causar reações, como febres e inflamação local. Verdade: mas as reações costumam ser leves e desaparecem sozinhas.
  • É perigoso tomar duas vacinas ou mais de uma só vez. Mito: o sistema imunológico da criança é perfeitamente capaz de suportar muitas vacinas de uma vez.
  • Quem é saudável não precisa se vacinar. Mito: uma das grandes vantagens das vacinas é justamente prevenir doenças que são muitas vezes potencialmente graves, mesmo para pessoas saudáveis.
  • Todas as vacinas estão disponíveis na rede pública. Mito: o calendário do Programa Nacional de Imunizações, que está disponível na rede pública, é bastante completo e um dos melhores do mundo. Entretanto, existem outras vacinas que não estão disponíveis na rede pública.
  • Vacinas causam autismo. Mito: as vacinas não causam autismo.
  • Quem é alérgico a ovo não deve tomar algumas vacinas. Verdade: as vacinas disponíveis atualmente são bastante purificadas, entretanto, apenas para algumas vacinas as pessoas com alergia grave a ovo não podem ser vacinadas como, por exemplo, a vacina para Febre Amarela.
  • Vacina pode até prevenir câncer. Verdade: por evitarem hepatites e HPV, as vacinas diminuem as chances do surgimento de câncer no fígado e no colo do útero.
  • Algumas vacinas exigem mais de uma dose, porém a primeira dose já imuniza a pessoa. Mito: para o desenvolvimento de imunidade adequada para prevenir as doenças causadas por vírus e bactérias é necessário seguir corretamente o calendário de vacinação.
  • Portadores de doenças crônicas como diabetes e hipertensão não podem se vacinar. Mito: essas pessoas compõem, na verdade, um grupo de risco que é prioritário nos programas de imunização.
  • Algumas vacinas precisam ser tomadas com certa frequência. Verdade: por exemplo, em todos os anos novas formulações da vacina contra a gripe são disponibilizadas, tétano e difteria requerem nova aplicação a cada dez anos etc.
Leia mais

Deixe um comentário

error: Conteúdo protegido!