Alimentação dos bebês: introdução alimentar

3 minutos para ler

Sem tempo para ler? Clique no play abaixo para ouvir esse conteúdo!

Por Dra. Romy Schmidt Brock Zacharias, Coordenadora Médica da equipe de Neonatologia do Hospital Israelita Albert Einstein / CRM SP: 94 608

Os bebês alimentam-se exclusivamente de leite nos primeiros meses de vida e recomenda-se que a alimentação complementar seja introduzida a partir dos 6 meses de vida.

A introdução de outros alimentos deve ser guiada pelo pediatra que acompanha a família e levará em consideração as diversas particularidades específicas do bebê, a sazonalidade dos alimentos, cultura, religião, hábitos e preferências familiares.

O leite continuará a ser oferecido, mas outros grupos alimentares ganharão importância gradualmente, conforme a criança amadurece, até que, aos 12 meses de vida, seja capaz de comer o que o restante da família come. Portanto, esta é uma grande oportunidade para que todos na casa conscientizem-se e promovam hábitos alimentares saudáveis, respeitando necessidades e preferências individuais.

Uma alimentação saudável deve incluir consumo de água, frutas, leguminosas, cereais, raízes, tubérculos, legumes, verduras, carnes e ovos, queijos e oleaginosas. Uma rotina diária pode consistir em consumo equilibrado desses alimentos em todas as refeições. Os alimentos idealmente devem ser adquiridos frescos e serão oferecidos após higiene e preparo adequados.

Nesta fase de introdução alimentar, algumas habilidades demonstradas pelas crianças como: sentar-se, levar objetos a boca, interesse pelo alimento que os adultos comem, realização de movimentos mastigatórios mesmo sem a presença de dentição são sinais de que a criança está pronta para interagir com os alimentos, mas a forma de oferecer as refeições depende das escolhas familiares e do desenvolvimento neuropsicomotor da criança. Com atenção à capacidade de maceração da criança, a família pode optar por montar o prato da criança com uma quantidade balanceada dos grupos alimentares apresentados em pedaços ou mesmo amassados no garfo e oferecidos com colher, ou ainda oferecer à criança a possibilidade de escolher alimentos cozidos e picados para que ela se sirva à vontade (técnica descrita como BLW: Baby-Led Weaning).

É esperado que, no início, as crianças brinquem com a comida mais do que comam efetivamente. A brincadeira é a maneira delas se relacionarem com o mundo e contribui para que a experiência seja lúdica e prazerosa. Para tanto, é importante estar atento e respeitar os sinais de fome e de saciedade para adequar o intervalo certo e a quantidade das refeições. O acompanhamento regular com seu pediatra e a avaliação contínua de peso e estatura da criança vão lhe assegurar de que vocês estão no caminho certo.

Posts relacionados