Precisamos conversar sobre como aumentar a autoestima

6 minutos para ler

É difícil não pensar em aparência quando falamos de autoestima. Afinal, são dois assuntos que estão recorrentemente associados, não é mesmo? Porém, a verdade é que eles não se tratam da mesma coisa.

Cada vez mais as pessoas têm percebido que aumentar a autoestima é uma tarefa que envolve outros aspectos da vida. Justamente por isso, surgem dúvidas e questionamentos sobre o que, de fato, esse conceito realmente trata.

Pensando nisso, trouxemos um artigo que vai ajudar a entender melhor o que é autoestima e o que fazer para fortalecê-la, alcançando, assim, mais bem-estar e qualidade de vida. Acompanhe com atenção!

O que é autoestima?

Autoestima tem a ver com quatro importantes pilares na nossa vida: a autoaceitação, a autoconfiança, o autoconhecimento e o autorrespeito. A seguir, você vai entender melhor o porquê de cada um:

  • Autoaceitação: valorizar a sua imagem e se amar como é, aprendendo a apreciar as características e particularidades que tem;
  • Autoconfiança: acreditar em si mesmo, reconhecendo as habilidades e competências que acumulou ao longo da vida, além de confiar no seu potencial de evoluir e ser melhor do que foi ontem;
  • Autoconhecimento: dispor-se a procurar entender os motivos dos seus sentimentos e reconhecer o que move você, sempre buscando o equilíbrio emocional;
  • Autorrespeito: tratar a si próprio de forma justa, sem ficar se comparando ou se rebaixando em relação aos demais, compreendendo que existem diferenças entre as pessoas, mas nada justifica se colocar para baixo.

Como aumentar a autoestima?

Você vai conferir algumas formas de aumentar a autoestima a partir de mudanças em vários aspectos da sua vida. Tome nota!

Dedique um tempo a sua aparência

Se você sente que algo incomoda e é possível mudar de maneira saudável, segura e consciente, então, vale a pena considerar que melhorias podem ser feitas. Por exemplo, uma mudança de corte de cabelo, um ganho de massa muscular, uma harmonização facial etc.

Isso porque o processo de autoaceitação não significa estagnar, deixando a imagem pessoal como está e pronto. Ao contrário, tem a ver com aprender a reconhecer que há aspectos pessoais bons que podem ser mantidos e valorizados, da mesma forma que aspectos pessoais que podem ser aprimorados.

Invista na sua saúde e bem-estar

Para isso, faça um exercício de autoconhecimento e identifique quais atividades físicas serão prazerosas de serem praticadas. Você pode apostar tanto naquelas modalidades mais tradicionais (como musculação e futebol) quanto nas menos difundidas (como skate e tênis).

Em paralelo, repense a sua alimentação, visando a ter uma dieta sem exageros na quantidade de comida e que seja montada para garantir o fortalecimento e a saúde do seu organismo.

Aqui, também entram as consultas com profissionais de saúde para assegurar que está tudo bem com o seu corpo e mente. É o caso de médicos (como psiquiatra, dermatologista, endocrinologista e cardiologista), nutricionistas, fisioterapeutas etc.

Fortaleça a sua rede de apoio

Outra das dicas de autoestima que não podem faltar aqui é ter pessoas com quem contar. Ou seja, cercar-se de quem gosta de você, preocupa-se com o seu bem-estar e torce pelo seu sucesso. Podem ser familiares, amigos, relacionamentos amorosos etc.

Isso é muito importante porque, em momentos de dificuldade e sofrimento emocional, a rede de apoio é quem ajuda a se manter firme e forte. Mais ainda: dá o impulso necessário para pensar em soluções para os seus problemas e ter mais autoconfiança.

Descubra novos interesses

Pesquise na internet, saia com os amigos, peça indicações ou o que você preferir. Podem ser opções de hobby, de lazer, de viagem, de estudo etc. A ideia é que você experimente e encontre atividades que estimulem o seu engajamento, proporcionem felicidade e bem-estar e preparem o terreno para que você possa se descobrir e trabalhar continuamente a sua autoconfiança.

Planeje a sua vida

Essa tarefa não deve ser feita baseada nas conquistas e nas trajetórias daqueles ao seu redor. A ideia, aqui, é praticar o autorrespeito, avaliando o que você precisa no momento, quais objetivos deseja realizar e que coisas quer fazer ao longo da vida.

Por exemplo, você quer mudar de emprego porque não se sente satisfeito nele? Então, qual será o passo a passo a ser seguido para uma recolocação profissional que traga mais realização na carreira?

Como a psicologia e a terapia podem ajudar?

Fora as dicas mencionadas no tópico anterior, a psicologia é uma grande aliada com a qual você pode contar para aumentar a autoestima. Isso porque a terapia trabalha e desenvolve aspectos comportamentais, sociais e emocionais do ser humano.

Além disso, ela ajuda a colocar em perspectiva o seu histórico de vida, reavaliando hábitos, costumes e práticas que afetam negativamente a forma como você se enxerga, cuida da própria saúde, se relaciona com o próximo e estabelece metas a serem alcançadas.

Outro ponto importante é que a terapia é uma oportunidade única para você tratar dilemas pessoais, resolver impasses sobre decisões que vão impactar a sua realidade, ter suporte em momentos de crise e sofrimento e conseguir lidar com transtornos mentais que afetam a sua qualidade de vida.

Como mostrado, aumentar a autoestima engloba desde pensar na aparência e na saúde até planejar o futuro e descobrir novos interesses. Portanto, comece a repensar na sua vida e a traçar mudanças que vão proporcionar mais autoaceitação, autoconfiança, autoconhecimento e autorrespeito.

Além disso, não deixe de contar com acompanhamento psicológico nessa caminhada. Afinal, esse profissional poderá auxiliar durante o seu desenvolvimento e evolução pessoal. Isso sem falar, é claro, nos cuidados com a sua saúde mental.

Curtiu ler o nosso post? Siga a gente no Facebook, Instagram, Twitter, LinkedIn e YouTube. Assim, você não perde nenhuma atualização do nosso blog!

Revisão técnica: Alexandre R. Marra, pesquisador do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein (IIEP) e docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein (FICSAE).

Posts relacionados