Saiba como funciona o PCR, exame para identificação do novo coronavírus

4 minutos para ler

Desde o dia 25/02, em que o Hospital Israelita Albert Einstein identificou o primeiro caso do novo coronavírus no Brasil, estamos às voltas com um desafio: o de promover testagens. Atualmente, dos 10 países com mais infectados, somos aquele que menos as fez. 

O principal exame para identificação do vírus é o PCR em tempo real. Para se ter ideia, o hospital realizou 17 mil testes somente no mês de março. A demanda elevada o levou a restringir temporariamente a oferta de provas para pacientes internados e atendidos no pronto atendimento por escassez de reagentes no mercado. 

O que é o RT-PCR

Existem dois grupos de testes para o diagnóstico da COVID-19: os moleculares e os imunológicos. O RT-PCR se enquadra no primeiro tipo. Nele, amostras clínicas do paciente (secreções nasais ou da garganta por exemplo) são coletadas por meio de um swab (espécie de cotonete) para identificação, em laboratório, do material genético (genoma) do novo coronavírus. 

O teste tem elevada sensibilidade e costuma ser mais útil na detecção de infecção ativa (quando o paciente está com a doença) em pessoas sem sintomas ou que tiveram contato recente com o vírus (no começo da infecção). 

O tempo de liberação dos resultados, que chegou a ser de 10 dias, hoje é de 3 dias úteis para pacientes ambulatoriais e 24 horas para pacientes internados.

Geralmente, o PCR é positivo 2 dias antes do início dos sintomas e permanece até 14 dias. Por outro lado, alguns estudos identificam positividade do teste por mais de 20 dias após o início dos sintomas. A recomendação para o diagnóstico da infecção, de acordo com a OMS, é de até 7 dias a partir do início dos sintomas. 

O RT-PCR é complexo e exige conhecimento técnico, equipamentos específicos e infraestrutura, o que dificulta bastante os exames em massa, sugeridos pelas autoridades internacionais. 

Corrida por novos testes

O Ministério da Saúde e a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) estão se mobilizando para ampliar a oferta de novos testes para a população, tanto do PCR, quanto de outros métodos. 

O Ministro da Saúde, Nelson Teich, salientou que a estratégia brasileira é fazer testagens em massa, no entanto a indisponibilidade desse material no mercado, somada às disputas econômicas têm impedido tal procedimento. Com isso, há a possibilidade de que os dados sobre a transmissão do vírus estejam subnotificados.

A Anvisa, por sua vez, está aprovando novos tipos de exames para identificação do vírus, alguns deles que revelam o resultado em 10 minutos. Foram liberados, por exemplo, os testes imunocromatográficos de oito empresas diferentes.

Além do PCR, o Hospital Israelita Albert Einstein oferece outros tipos de exames imunológicos, que são:

Sorologia

O teste é realizado no soro de pacientes que tiveram a COVID-19 ou contato com o vírus para detecção de anticorpos produzidos pelo paciente. Esses anticorpos podem ser de três tipos: IgA, IgM e IgG. O tempo de liberação para os resultados é de 2 dias úteis.

IgA: anticorpos produzidos na fase aguda da infecção. Tempo ideal para coleta e detecção desse tipo de anticorpo é a partir do décimo dia do início dos sintomas;

IgM: anticorpos produzidos na fase aguda da infecção. Tempo ideal para coleta e detecção desse tipo de anticorpo é a partir do décimo dia do início dos sintomas. Para alguns pacientes esse tipo de anticorpo pode não ser detectado;

IgG: anticorpos produzidos na fase tardia ou após a infecção. Tempo ideal para coleta e detecção desse tipo de anticorpo é a partir do décimo quinto dia do início dos sintomas. Entretanto, alguns pacientes podem demorar mais tempo para apresentar esses anticorpos. Estima-se que 15% dos pacientes que tiveram contato com vírus podem apresentar resultado negativo mesmo após 39 dias do início dos sintomas.

Teste rápido para detecção de anticorpos

Os testes rápidos utilizam técnicas para detecção de anticorpos diferentes dos métodos sorológicos tradicionais. Eles são de simples execução e não necessitam de equipamentos ou infraestrutura laboratorial. 

O teste pode ser realizado no soro do paciente e o prazo para liberação de resultados é de 3 horas para pacientes internados e 1 dia útil para pacientes ambulatoriais.

Leia mais
error: Conteúdo protegido!