Qual a diferença entre urgência e emergência? Saiba identificar!

5 minutos para ler

Você sabe qual é a diferença entre urgência e emergência? Apesar de serem termos bastante confundidos, descrevem condições distintas e devem ser diferenciados para adequada escolha entre o tipo de serviço de saúde ideal para seu atendimento.

Urgência e emergência são situações comuns em hospitais, instituições de saúde e no atendimento pré-hospitalar (serviços de ambulância). No entanto, por mais que envolvam cuidados médicos semelhantes, não são sinônimos.

Neste post, vamos explicar as diferenças entre urgência e emergência e te ajudar a decidir qual o tipo de atendimento ideal para você. Acompanhe e fique por dentro do assunto!

O que é urgência?

Como o próprio nome diz, urgência é todo o quadro de saúde que precisa ser resolvido rapidamente. Em um pronto atendimento, por exemplo, diz respeito aos casos que precisam atendidos rapidamente, com o mínimo tempo de espera possível, mesmo sem risco iminente de morte. O atendimento rápido serve para que os pacientes não sofram complicações e tenham uma melhora dos sintomas rapidamente.

A seguir, exemplificamos alguns tipos de atendimento de urgência!

Tipos de urgência previstos

  • Dor aguda moderada ou intensa;
  • Agitação importante;
  • Falta de ar;
  • Vômitos frequentes e incessantes;
  • Sintomas urinários ou gastrointestinais agudos e intensos;
  • Traumas leves a moderados, ferimentos cortantes, fraturas ou luxações;
  • Alterações sensoriais como diminuição súbita de audição ou visão;
  • Sangramento vaginal em gestantes.

O que é emergência?

As emergências precisam ser atendidas por um time de profissionais de saúde de forma rápida e eficaz, preferencialmente em um ambiente com recursos médicos para suporte de vida, seja uma sala de emergência ou ambulância equipada. O que caracteriza uma emergência é o risco iminente de morte e a necessidade de adotar rapidamente medidas diagnósticas e terapêuticas de suporte a vida.

Dentre os tipos de emergência previstos, é possível citar:

  • Perda súbita de movimento de braços ou pernas;
  • Dor no peito, de moderada a alta intensidade — sintoma de infarto;
  • Traumas graves com perda de sangue importante;
  • Traumatismo encefálico com perda de consciência;
  • Anafilaxia (reação alérgica grave);
  • Intoxicação (medicamentos, produtos de limpeza, etc);
  • Convulsões;
  • Vítimas de acidentes graves — ataque de animais, afogamento, incêndio, choque elétrico, quedas, agressões, colisão no trânsito, atropelamento, entre outros;
  • Insuficiência respiratória ou cardíaca agudas.

Quais as diferenças principais entre urgência e emergência?

Como visto, a principal diferença entre urgência e emergência está no fato de que o segundo caso apresenta maiores riscos para a vida do paciente. Dessa forma, é fundamental observar as diferentes características de cada situação.

De todo o modo, tanto os quadros urgentes quanto os de emergência devem ser encaminhados rapidamente para os serviços de saúde. Quanto antes for realizada a intervenção clínica ou cirúrgica, menores são os riscos para a saúde e o bem-estar do paciente.

Quais serviços de saúde devo procurar?

Em caso de urgências ou emergências, procure um pronto atendimento mais próximo de você. Em alguns casos, o acionamento de serviços de atendimento pré-hospitalar pode garantir a chegada rápida de socorro médico a pacientes que se encontram longe desses serviços ou sem condições de procurarem por conta própria.

Casos como acidentes automobilísticos, traumas, sintomas agudos de AVC (acidente vascular cerebral), perda de consciência ou sintomas de infarto devem ser preferencialmente atendimentos por um sistema de ambulâncias equipado e levados ao melhor serviço disponível para atender a casos mais complexos.

Quais os principais cuidados a serem tomados pela equipe de atendimento nesses casos?

Sempre que uma equipe de atendimento é acionada, seja para casos de urgência, seja de emergência, é preciso indicar o local em que o paciente está, com detalhes, para que os serviços cheguem rapidamente.

Além do mais, cada detalhe relacionado à situação é de extrema relevância para que os profissionais de saúde possam melhor atender às vítimas e se preparar para o encaminhamento adequado.

A seguir, entenda quais são os procedimentos que os profissionais de saúde tomam em determinados contextos.

Avaliação de risco

Um cuidado essencial da equipe de atendimento é a avaliação de risco da situação. Casos que envolvem acidentes de trânsito ou incêndios, por exemplo, ainda que apresentem ferimentos leves nas vítimas, podem apresentar maiores perigos para as pessoas ao redor, como explosões ou intoxicação.

Suporte básico ou avançado

Indivíduos em situação de emergência podem necessitar de atendimentos médicos no instante em que a equipe chega. Dessa maneira, os profissionais podem agir com mecanismos de:

  • Suporte Básico à Vida (SBV) — ações não invasivas, que previnem o agravamento dos sintomas;
  • Suporte Avançado à Vida (SAV) — medidas invasivas, para manter os batimentos cardíacos ou a respiração do paciente.

Acolhimento

Tanto o paciente quanto a família podem necessitar de acolhimento em casos de urgência e emergência. Essas ações envolvem tranquilizar e orientar com relação à situação.

Entendeu melhor qual é a diferença entre urgência e emergência? Ambos são serviços médicos rápidos, mas que se direcionam para casos específicos. De toda maneira, em qualquer um desses contextos, é fundamental chamar uma ambulância para que o atendimento seja realizado.

Gostou deste post? Então, não deixe de compartilhá-lo nas redes sociais para que os seus amigos também se informem sobre o assunto!

Posts relacionados