Medicina preventiva: o que é e por que é tão importante? Confira!

8 minutos para ler

Por Dr. Rafael Herrera Ornelas, médico de família do Hospital Israelita Albert Einstein/ CRM SP 147 536

O último levantamento feito pelo IBGE, em 2018, revelou que a expectativa de vida do brasileiro aumentou nos últimos anos, sendo de 72,8 anos para os homens e de 79,9 para as mulheres. E esse aumento está diretamente relacionado à medicina preventiva, que evita o desenvolvimento de doenças — fator imprescindível para garantir a longevidade dos pacientes.

Muitas pessoas deixam para buscar ajuda médica apenas quando já estão sofrendo com doenças que poderiam ter sido evitadas, como hipertensão, obesidade e diabetes. Além dos seus próprios males, essas enfermidades também acabam fortalecendo a ação da COVID-19.

Por isso, é fundamental investir no acompanhamento e na prevenção da saúde desde os primeiros anos de vida, o que permite a identificação e o tratamento de possíveis riscos. No post de hoje, vamos mostrar como a medicina preventiva pode cuidar de você e de sua família. Confira!

Afinal, o que significa medicina preventiva?

Criado no século XX, o conceito de medicina preventiva surgiu com o intuito de mudar a prática médica, que antes disso era focada somente no tratamento de patologias. A especialidade tem como objetivo principal evitar o desenvolvimento de doenças, bem como reduzir os impactos de eventuais problemas na saúde dos pacientes e oferecer uma melhor qualidade de vida para aqueles que estão realizando algum tipo de recurso terapêutico.

Essa área médica reúne um conjunto de técnicas e estratégias de prevenção que resultam em intervenções precoces no curso de possíveis doenças. Os médicos agem de forma proativa, trabalhando no tempo presente para eliminar riscos que apontam o surgimento ou até mesmo o agravamento de uma determinada enfermidade no futuro.

Na prática, a medicina preventiva estabelece cuidados diários que ajudam na promoção do bem-estar, como a realização de exames periódicos, adoção de uma dieta balanceada e saudável e a prática regular de exercícios físicos.

Juntos, eles diminuem as chances de um indivíduo desenvolver doenças que ao longo do tempo podem se agravar, como é o caso da hipertensão e da diabetes, que quando negligenciadas podem causar derrames e cegueira, respectivamente.

As vacinas também fazem parte dessa categoria, uma vez que são aplicadas com a finalidade de impedir que certos tipos de vírus ou bactérias, ao entrarem em contato com o organismo humano, provoquem consequências mais sérias, como hepatite A, influenza, tétano, tuberculose e até COVID-19.

Quais são os seus níveis?

Para que seja bem-sucedida em sua execução, a medicina preventiva foi dividida em quatro etapas, e cada uma apresenta diagnósticos e formas de intervenção condizentes com as características que o paciente apresenta. Veja a seguir como essas etapas funcionam.

Primária

Trata-se do primeiro contato que o paciente tem com a medicina preventiva. Na atenção primária, o foco principal é evitar a doença por meio da recomendação da não exposição do paciente aos fatores de riscos. Um exemplo disso é o uso de protetor solar para evitar o câncer de pele.

Secundária

Por sua vez, a prevenção secundária é quando se faz o diagnóstico da doença, em que o objetivo principal é agir imediatamente para conter o seu avanço. Com isso, mesmo que o paciente seja diagnosticado com uma condição, é possível impedir que ela evolua para quadros mais graves.

Terciária

Basicamente, o nível terciário se concentra na redução dos sintomas da doença para que as suas funções não sejam comprometidas. Nessa situação, podemos citar as pessoas diabéticas, que precisam adotar dietas apropriadas e tomar medicação específica para controlar a patologia.

Quaternária

A aplicação da etapa quaternária visa identificar o paciente com risco de excesso de medicação ou intervenção desnecessária, como cirurgias. Para tanto, são propostas opções menos invasivas, de modo a evitar potenciais danos à saúde do indivíduo que possam ser mais graves que a própria doença.

Como é feito o rastreamento preventivo?

Em primeiro lugar, é necessário deixar claro o que é rastreamento preventivo. Se uma pessoa apresenta sintomas e o médico indica um teste diagnóstico, isso não se caracteriza como um rastreamento. Isso porque, a técnica é aplicada em pessoas sadias, a fim de identificar características ou riscos de desenvolvimento de uma doença.

O rastreamento pode ser feito a partir de diferentes métodos e tipos de exames, desde o uso de questionários até aparelhos portáteis para acompanhar os marcadores sanguíneos, como o colesterol e a glicose. E cada fase da vida requer cuidados específicos, que devem ser mantidos da infância até a terceira idade.

Em se tratando de crianças, o rastreamento preventivo começa desde a formação do feto, que pode apontar doenças congênitas — entre os métodos principais estão as ultrassonografias obstétrica e morfológica. Caso surja a suspeita de alguma patologia, o médico pode solicitar a realização de exames específicos.

Ao nascer, o bebê também passa por avaliações que podem apontar tendências a doenças, como teste do pezinho e exames de audição. Até os 6 meses de vida, os pais devem levar os seus filhos mensalmente ao pediatra, dos 6 aos 12 meses deve-se fazer consultas bimestrais.

Do primeiro ao segundo ano, recomenda-se que isso aconteça a cada três meses, dos 2 aos 5 anos passa a ser semestral e após este período torna-se anual.

Na vida adulta, é indicado que homens e mulheres façam um check up anual, principalmente depois dos 35 anos. Os principais exames prescritos são:

  • teste ergométrico – mostra como o sistema cardiovascular reage ao esforço e pode ajudar a prevenir doenças na artéria coronariana, hipertensão arterial e arritmias;
  • papanicolau – coleta células do colo do útero e pode identificar a presença de doenças sexualmente transmissíveis e ajudar a prevenir o câncer nessa parte do corpo;
  • colesterol – mede os níveis de HDL (colesterol bom) e LDL (colesterol ruim) e pode ajudar a prevenir doenças cardiovasculares;
  • hemograma – coleta uma amostra de sangue para analisar as células hemácias, plaquetas e leucócitos, pode prevenir anemia, leucemia, distúrbios da tireoide, doenças renais, entre outras;
  • glicemia – aponta os níveis de glicose no sangue e pode ajudar a prevenir a diabetes;
  • mamografia – captura imagens dos seios e pode ajudar a prevenir o câncer de mama;
  • exame da próstata – é um toque retal que avalia alterações nessa área e pode ajudar a prevenir o câncer de próstata.

Quais os benefícios da medicina preventiva?

A implementação da medicina preventiva tem sido cada vez mais frequente nas instituições e sociedade como um todo, ocorrendo por meio de ações que asseguram o bem-estar do paciente, o que se deve aos diversos benefícios que ela oferece. Veja a seguir quais são eles.

Pacientes

Ao fazer consultas e exames periódicos e adotar hábitos saudáveis, o paciente evita o aparecimento de doenças e tem mais facilidade para controlá-las. Isso sem ter a necessidade de fazer uso de medicamentos ou procedimentos invasivos, o que contribui para prolongar a sua vida.

Empresas

A adoção de ações que estimulam a prevenção de enfermidades também é altamente benéfica para as empresas, pois reduz o número de faltas de colaboradores que precisam se afastar das suas atividades apresentando atestados médicos. Ela também melhora o clima organizacional, mostrando ao público interno que a empresa se preocupa com cada pessoa — iniciativa que ajuda a atrair e reter os melhores talentos do mercado de trabalho.

Governo

De acordo com uma pesquisa do Conselho Federal de Medicina, o Brasil gasta em média R$ 3,83 por dia com a saúde de cada habitante. Só no ano de 2019 foram gastos R$ 1.398,53 por pessoa no país. Nesse sentido, a prevenção contra doenças traz incontáveis benefícios para o governo, que refletem principalmente na saúde pública.

O aumento na qualidade de vida dos cidadãos reduz os custos com atendimentos de emergência, tratamento de doenças e superlotação em hospitais, permitindo que os médicos consigam dar mais atenção aos casos de maior gravidade.

Conclusão

Como você viu, a medicina preventiva ocupa um papel crucial na sociedade, já que o monitoramento regular da sua saúde e a prática de hábitos saudáveis diminuem significativamente as chances de o paciente sofrer com doenças e suas complicações.

Em tempos de pandemia, é fundamental destacar a importância de ações de higiene pessoal, como a limpeza e desinfecção frequente das mãos, uso de álcool em gel e máscara, além do distanciamento social, que evita a proliferação da COVID-19 e demais problemas.

Quer se manter saudável para aproveitar o melhor da sua vida? Veja como prevenir os 4 tipos de câncer mais comuns entre os brasileiros!

Leia mais